segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

As "irmãs" cachorro ....





Elas comemoraram o Natal com a Sofia, tanto que a Laiquinha resolveu apoiar a cabeça na minha barriga!

Um pouquinho de descanso ...





Nada que uma piscina e um passeio ao ar livre não faça ....

Pq a gente não pode ficar nesses lugares pra sempre????? rs

(detalhe: o tamanho da barriga!)

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

9º mês lunar - 34 semana!!!!!

A medida do bebê nesta fase é de 32cm com peso em torno de 2300g.

A pele do bebê está lisa devido ao ganho de peso. O sistema imunológico evolui.

Na 34ª semana de gravidez, o bebê se prepara para o parto. Apesar dos ossos já estarem fortificados, os do crânio não estão conectados, que é para facilitar a sua passagem pelo canal vaginal na hora do parto.

Nessa fase, a mamãe deve continuar sentido contrações indolores chamadas Braxton Hicks, conhecidas como falso trabalho de parto. Só preste atenção se for mais que quatro contrações por hora durante o descanso, pois podem ser sinal de parto prematuro.

Ajuda
Você tem alguém para te ajudar como uma mãe, uma sogra ou uma empregada? Não! Então é bom começar a pensar nisto.

Dessa fase em diante, você se sentirá cada dia mais cansada e sem fôlego, aliada à uma barriga enorme e incômoda. Não poderá realizar muito esforço físico e por isso precisará de alguém que te ajude nos serviços domésticos.

E quando o bebê nascer, suas atenções estarão voltadas para ele. Quando o queridinho da família te der uma folga é hora de descanso e não de pensar nos problemas da casa. Mais uma vez a importância de alguém que te ajude com os afazeres domésticos.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Não, não, não. Isso não foi feito pra mim!!!!


Mulher de Márcio Garcia dá à luz em casa...

sem anestesia. Andréa Santa Rosa já está bem após ter dado à luz Felipe, na manhã de ontem (10/12/08), na residência do casal, no Rio de Janeiro. De acordo com a enfermeira obstetra Heloisa Lessa, responsável pelo nascimento do terceiro filho do ator, o parto domiciliar, sem anestesia, é doloroso, mas proporciona um prazer enorme à mãe e ao bebê e, inclusive, diminui a ocorrência de depressão pós-parto. "Há dor, mas, ao final, a mulher tem a sensação que extrapolou os seus limites, é uma viagem", declarou a parteira em entrevista exclusiva ao Portal CARAS. Ela já realizou mais de 200 partos fisiológicos ou naturais, ou seja, sem o uso de anestesias ou fórceps. Há quase duas décadas atuando nas casas das gestantes, Heloisa conclui que o método está virando uma tendência. "Até o ano 2000, fazia três partos por ano. Agora, são 35 a cada 12 meses em média".

Por Patrícia Moraes

-Foi a primeira vez que Andréa deu à luz em casa?

-Sim. A primeira vez, no nascimento de Pedro, foi cesariana. Na segunda, quando Nina nasceu, ela fez um parto normal no hospital e com anestesia. A Andréa é do tipo de mulher que não gosta de tomar remédios. Então, optou pelo parto fisiológico, em casa.

-E como a mulher se prepara para esse tipo de parto?

-Ela tem que se convencer de que é capaz de dar à luz sem anestesia, como deve ser. Mais de 85% das mulheres são capazes, as outras têm mesmo que procurar o hospital. Não há ritual, nem preparação. Há um pré-natal bem feito, para se ter informações sobre a saúde de mãe e filho. Se não corresse tudo bem com a Andréa, por exemplo, nós iríamos para um hospital. Tenho uma equipe de plantão para qualquer emergência.

-Como é o nascimento?

-No caso do Felipe, a Andréa começou a sentir contrações às 21h e ele só nasceu às 6h30. No intervalo entre as contrações, a mulher descansa. Quando vem aquele pico de dor, eu faço massagem, seguro a mão e converso com a parturiente. Tudo para acalmá-la e não prejudicar o momento.

-O que acontece com o corpo da mulher ao ser adotado esse tipo de procedimento?

-Há muita liberação de hormônio. Ao contrário do parto no hospital, que estressa a mulher por causa da preparação, dos médicos e do ambiente, o parto em casa é perfeito para a mulher relaxar e curtir o momento. O organismo libera oxitocina, responsável pelas contrações, e endorfina, que, como a cocaína, proporciona um prazer enorme. É uma verdadeira viagem. Tem que passar por isso para entender.

-E a dor?

-É grande. Não vou dizer que a mulher não sente nada. Há dor, mas, ao final, a mulher tem a sensação que extrapolou os seus limites. Toda mulher, na hora, fala: 'Eu não agüento mais'. A Andréa chegou a dizer que queria desistir. Aí, eu liguei para o hospital e disse que estávamos indo. Quando desliguei o telefone ela disse: 'Já cheguei até aqui. Vamos continuar'. E o bebê nasceu. Como era de madrugada, o Márcio estava dormindo e acordou quando a cabecinha do bebê já estava aparecendo. Foi uma experiência incrível para pai, mãe e bebê.

-Como é após o nascimento?

-O bebê nasce e logo vai mamar no peito. Isso aproxima a criança e mulher. Por isso, não há depressão pós-parto depois desse procedimento. A satisfação da mulher é enorme. Peço que a mãe fique em casa, em repouso, por uma semana, acompanhando cada novidade do filho. Depois, tudo volta ao normal.

-A senhora tem filhos?

-Tenho três. Minha história é muito parecida com a da Andréa. Na primeira gravidez, não estava muito ambientada com a idéia do parto natural, meu bebê estava sentando, então, fiz cesárea. Mas, já no segundo, quis fazer parto normal. Foi de cócoras, com as luzes apagadas. No terceiro, foi em casa. Minha neta, Julia, de 2 anos, também nasceu assim. Foi uma das experiências mais marcantes da minha vida. Foi lindo.

Homem com irmãos tem mais chance de ser pai de meninos

Um estudo realizado na Grã-Bretanha indica que o sexo de um bebê pode ser determinado por genes que o pai herda dos próprios pais. Segundo a pesquisa da Universidade de Newcastle, isso significa que um homem com muitos irmãos tende a ter filhos meninos, enquanto outro com mais irmãs tende a ser pai de meninas.

O estudo, publicado nesta quinta-feira na revista especializada Evolutionary Biology, analisou 927 árvores genealógicas, com dados sobre 55.387 pessoas da América do Norte e da Europa desde 1600. "A análise mostrou que a tendência a ter um menino ou uma menina é herdada pelo homem", afirmou Corry Gellatly, coordenador da pesquisa. "Já nas mulheres é impossível prever."

Pós-guerras
O que determina o sexo de um bebê é se o esperma do pai carrega o cromossomo Y (que, combinado com o cromossomo X da mãe, resulta em um menino) ou X (que, na mesma combinação, resulta em uma menina). O estudo sugere que um gene ainda não conhecido controlaria se o esperma do homem teria mais cromossomos Y ou X.

Um gene consiste de duas partes, chamadas alelos, herdadas uma do pai e uma da mãe. Segundo Gellatly, é provável que os homens carreguem dois tipos diferentes de alelos, o que possibilitaria três combinações no gene que controlaria a proporção entre cromossomos X e Y no esperma.

"O gene é transmitido pelos pais, o que faz com que alguns homens tenham mais filhos meninos e outros mais meninas", afirma o cientista. "Isso pode explicar por que existe um certo equilíbrio entre os sexos em uma população." Sabe-se, por exemplo, que em muitos países que participaram das duas Guerras Mundiais houve um aumento repentino no número de nascimentos de meninos logo depois.

Segundo o cientista, isso pode ter ocorrido porque era mais provável que homens com mais filhos, que portanto herdavam a capacidade de ter também mais filhos homens, vissem ao menos um deles voltar vivo das batalhas, ao passo que os que tinham mais meninas podiam acabar perdendo seus poucos filhos homens - que teriam a capacidade de gerar mais meninas.

19 coisas que ninguém me contou antes de engravidar


Bigodinho
Como se não bastassem as manchas tão comuns (melasmas), pode surgir um primo chamado cloasma, cujo objetivo é criar uma marca escura em cima do lábio superior, estilo bigode. "Isso acontece devido ao acúmulo de progesterona, que dá efeitos secundários: excesso de oleosidade, manchas nas dobras, escurecimento das aréolas, entre outros", explica o obstetra Antônio Júlio Sales Barbosa, do Hospital Santa Catarina (SP).

Número 2 comprometido
A prisão de ventre é muito comum, principalmente no início da gestação. A progesterona (olha ela aí de novo!) relaxa a musculatura, inclusive a do intestino, fazendo com que ele fique mais preguiçoso.

Hemorróidas? Eu???
Sim, elas poderão aparecer, justamente por conta da congestão pélvica que, segundo Júlio Sales, acontece devido à nova circulação sanguínea. "Como o volume de sangue aumenta, a área do útero fica extremamente congesta, o que irriga os vasos, inclusive os da região do ânus", conta. E as hemorróidas nada mais são do que a dilatação de vasinhos dessa área.

A hora do pesadelo
"Todo mundo quer contar algumas histórias para as grávidas e nem sempre elas são otimistas", exemplifica Júlio. Por isso, nada mais natural do que a mulher guardá-las no seu imaginário. Somando isso às expectativas e ansiedade natural do momento, o resultado pode ser pesadelos freqüentes. O segredo para atenuá-los? Jamais pense que o pior vai acontecer. Simples assim.

Grávida? Quem, eu?
A capacidade de concentração e o rendimento intelectual diminuem consideravelmente e há uma explicação física para isso: a velocidade da circulação do sangue fica reduzida também na área cerebral, por isso você pode ficar mais distraída. Além disso, as mudanças bruscas no corpo, nas relações sociais, de trabalho e pessoais geram uma carga emocional que podem deixá-la um pouco mais "devagar".

Olá, verrugas
"A maioria delas têm origem virótica e como o sistema imunológico da gestante fica frágil, elas podem aparecer", conta o obstetra Júlio. A progesterona também contribui para exacerbar alguns sinais que você já tinha, mas não percebia. Lembre-se: os vírus causadores de verrugas são inofensivos durante a gestação.

As varizes podem visitá-la
Quanto mais perto o fim da gravidez, maior o risco de surgirem aquelas veias escuras e saltadas nas pernas. O culpado é o mecanismo de compressão que, segundo Antônio Júlio, acontece devido ao aumento do útero que comprime todas as veias - inclusive a cava, responsável por irrigar os vasos dos membros inferiores. Não apenas as varizes, mas o inchaço também é causado pelo mesmo motivo.

"Ai, minha boca!"
Se o sangramento na gengiva acontecer, é porque alguns microvasinhos se romperam e isso é normal. "O relaxamento muscular causado pela progesterona provoca o quadro. Por isso aconselhamos as gestantes, a partir do terceiro mês, a visitar o dentista para verificar se há qualquer outra alteração", revela Júlio.

Dor na barriga
Não é contração nem cólica. É uma dor muscular que surge principalmente na 28ª semana. O que acontece: o útero é preso nas laterais do abdômen por ligamentos, e eles não param de esticar. Claro que o corpo vai se adaptando a esse estiramento, mas certos movimentos (ou quando o útero atingir um tamanho razoavelmente grande) podem causar essa dor momentânea.

Como um patinho
Quando a barriga começar a pesar, automaticamente seu corpo vai fazer uma compensação, jogando as costas para trás e deixando as pernas um pouco mais abertas na hora de andar. "O conhecido 'andar de pato' proporciona equilíbrio diante das novas condições do corpo", explica a ginecologista obstetra, Denise Coimbra, de São Paulo.

Vale lembrar que cada mulher é única, assim como suas gestações. Se a sua amiga teve prisão de ventre e você não, não há motivo para preocupação

Com água na boca
O olfato e o paladar da grávida se intensificam devido à maior vascularização das papilas gustativas. E também há o aumento de salivação (sialorréia) durante toda a gestação por causa das alterações sofridas pelo aparelho digestivo, mas isso é mais intenso no primeiro trimestre.

Uma tampa que sai
O muco vaginal que existe no aparelho reprodutor feminino fica mais espesso e forma uma espécie de tampão para proteger o colo do útero de bactérias. "Com as modificações que acontecem perto do parto, esse líquido é eliminado como uma espécie de catarro cerca de 15 dias antes do nascimento", explica o ginecologista e obstetra Osmar Ribeiro Colás (SP).

No final, ele fica paradinho
Você que estava acostumada a sentir o pequeno mexendo bastante, notará uma diferença no final da gravidez. "A partir da 39ª semana a movimentação diminui muito e 12 horas antes do parto, o bebê fica praticamente imóvel", diz Osmar. O motivo seria o espaço reduzido e a intenção de reservar energias para o nascimento.

Visão embaçada
Devido à maior quantidade de água circulante, muitos órgãos sofrem alterações. E isso inclui os olhos. "Também pode haver influência da hipófise - glândula localizada atrás deles - que está com seu tamanho dobrado", coloca Osmar. Então podem surgir dificuldades para enxergar. Mesmo assim, o médico alerta para a necessidade de descartar as chances de uma pré-clâmpsia (hipertensão) em uma consulta com o obstetra.

"Leite" antes da hora
No sétimo mês, poderá sair um líquido amarelo do seio. É o colostro, primeiro alimento do bebê ao nascer. Segundo Denise, em geral, ele sai diante de estímulos que a grávida faz nos seios, por exemplo, quando vai prepará-los para a amamentação. O leite propriamente dito só aparecerá três dias depois do parto.

Que calor!
A temperatura do seu corpo vai fi car mais alta do que o habitual no último trimestre e você vai sentir com freqüência que ela aumenta. Isso acontece porque a quantidade de progesterona (o mesmo hormônio da menopausa) está alta. "Os calores só não são piores em relação à menopausa porque a mulher ainda produz o estrogênio", revela Denise Coimbra.

Um docinho para o bebê
Basta comer um pedacinho de doce, especialmente de chocolate, para o nenê começar a mexer! A obstetra Denise Coimbra esclarece que qualquer alimento ingerido vai fazer o pequeno se movimentar, uma vez que ele estará recebendo energia (glicose) que provoca estímulos. No caso dos doces, a resposta é instantânea.

Uma casa dentro de você
O útero, que antes da gravidez tinha um volume entre 30 e 90 cm3, aumenta 50 vezes para acomodar o pequenino. A média de crescimento desse órgão muscular é de cerca de 1 cm por semana. A barriga segue a mesma proporção, daí a importância em manter uma hidratação diária com produtos emolientes como óleo de amêndoas, de semente de uva...

Mulher de conteúdo
Mais sangue vai circular pelo corpo da futura mãe. No final dos nove meses, o volume vai dobrar e, por conta disso, seus rins também vão trabalhar 25% mais. "O sangue estará mais diluído e, assim, haverá menos oxigênio circulante, o que vai deixar a mulher mais cansada e sem fôlego", diz Denise.


Difícil saber o que é "pior", né????
ai como eu quero a minha camaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!

9º mês lunar - 33ª semana!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

O bebê está com 30cm de comprimento e 2000g de peso.

Acontecem preparações para o bebê viver fora do útero, como o armazenamento de ferro em seu fígado.

Paralelamente, ele continua com movimentos respiratórios como inspirar o líquido amniótico. O lanugo desaparece.

Como o bebê está pressionando seus órgãos, o melhor a fazer é ir mais vezes no banheiro e comer mais vezes ao dia em pequenas quantidades.

Se sentir dores fortes, contate imediatamente seu médico.

Precaução
Caso aconteça um parto antes do esperado é bom estar prevenida.

Deixe a mala do bebê e a sua organizada e pronta para levar à maternidade. Tenha sempre por perto o telefone de algumas pessoas com disponibilidade que possa pedir ajuda em caso de emergência.

Aproveite e verifique se não falta mais nenhuma peça ou utensílio para completar o enxoval ou quarto do bebê.

Organize o quarto do bebê.

Deixe com alguém os telefones de pessoas que você queira que sejam avisadas do nascimento do seu filho.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

8º mês lunar - 32ª semana!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Seu bebê
Lá dentro do útero, ele parece tão distante do mundo... Mas seu bebê está conectadíssimo com tudo o que acontece do lado de fora. Ele percebe os ruídos - embora o som seja abafado pelo líquido amniótico - e, acredite, pode acompanhar com os olhos uma fonte de luz que esteja se movimentando próximo à barriga. Aliás, ele consegue mover não apenas os olhos mas também o corpo todo: os braços, as pernas e a cabeça. Aí está a explicação para os chutes que você tem sentido ultimamente. Seu filho está cheio de energia e não vê a hora de sair para brincar.

Sua gravidez
Este é o momento de intensificar as visitas ao obstetra. Não é por menos. Faltam apenas sete semanas para o bebê chegar. Assim, se antes a rotina de exames era mensal, agora será bem mais agitada. Nessas ocasiões, converse com o médico sobre os sintomas que merecem atenção redobrada na reta final. Ele explicará que os sangramentos, as dores de cabeça e alguns tipos de contração podem ser sinais de alerta. Ao voltar da consulta, não deixe de conferir os preparativos para a chegada do bebê. Lembre-se de escolher brinquedos adequados ao recém-nascido e não se esqueça dos cuidados com a higiene do berço e dos acessórios.